Segue-nos por e-mail para obter actualizações do Blog

Explosão numa Fábrica de Fertilizantes no Texas

 
Ocorreu mais um desastre industrial e desta vez a explosão foi numa fábrica de fertilizantes na cidade de West, no estado americano do Texas, deixou centenas de feridos e pode ter provocado, pelo menos, quinze mortes.
A partir do seguinte vídeo, gravado por um telemóvel, é possível verificar a dimensão da explosão.


 
 
 
É provável que o número de mortos cresça à medida que as equipes de emergência trabalhem nos imóveis atingidos por incêndios após a explosão na companhia de adubos.
O número de feridos ainda é indeterminado, mas, de acordo com a CNN, pode chegar aos 100.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, em inglês) registrou um tremor de magnitude 2.1, que foi também registado por vários moradores nas várias explosões sucessivas.

Os técnico de Segurança e Higiene no Trabalho da indústria em causa, advertiram que no manejo de compostos químicos em caso de incêndio, os bombeiros não devem misturar água diretamente com o amoníaco, "já que isto pode resultar em um aquecimento do produto, que fará com que o líquido se torne uma nuvem de vapor".

Há danos estruturais em muitos imóveis nas imediações da fábrica, entre 50 e 75 casas destroçadas.
Os habitantes estão preocupados com os gases emitidos pela empresa de fertilizantes. O nitrato de amônio é uma substância usada em fertilizantes, pode ter potencializado a explosão.

A seguintes figuras apresentam o panorama de devastação após a explosão.

Bombeiros verificam um prédio destruído perto da companhia. (Foto: LM Otero / AP Photo)
 
Imóveis destruídos pelo fogo. (Foto: LM Otero / AP Photo)
 
Equipes de emergência ajudam uma idosa em uma escola local. (Foto: Rod Aydelotte / Waco Tribune Herald / Via Ap Photo)
 
É necessário salientar que no parque industrial da SAPEC em Setúbal, assim como o de Sines, apresentam reservatórios de amoníaco semelhantes aos da fábrica de fertilizantes no Texas. Perante esta situação, é necessário tomar todas as medidas preventivas necessárias, assim como, a aptidão das unidades de socorro em caso de emergência. A seguinte figura apresenta o reservatório de amoníaco da SAPEC.
 
 
   
O seguinte link conta as empresas portuguesas de nível superior de perigosidade, aferido pelo DL 254/2007 a 6 de Dezembro de 2012.


Sem comentários: